Off The Record : Sébastien Perrier, Sony Music France

30 Setembro 2019

World - ibis team

Off The Record : Sébastien Perrier
« A indústria musical sofreu uma década de transição intensa, passando do difícil início de 2000 com a pirataria online que devastou as receitas da indústria para a atualidade em que as emergentes plataformas de streaming, como o Spotify, estão a estabelecer uma nova base. »

As grandes editoras discográficas como a Sony Music evoluíram durante este atribulado período, mas o seu principal papel de contratação e promoção de novos talentos permanece inalterado.

 

Falámos com Sebastian Perrier, diretor do departamento de Comunicações e Parcerias com Marcas da Sony Music France, para saber mais sobre o trabalho realizado pelas grandes editoras discográficas e como as parcerias com marcas se tornaram numa parte essencial desse trabalho.

 

O que se passa nos bastidores da contratação de uma banda até ao seu lançamento?

 

Entre a contratação de uma banda por uma editora discográfica e o respetivo lançamento, é importante envolver os nossos vários departamentos para garantir o sucesso da banda. Existem quatro áreas de enfoque principais:

 

•             A&R - a equipa responsável pela direção musical do artista em questão

•             Marketing - a equipa responsável pela imagem e pelo conceito do artista em questão

•             Promoção - a equipa responsável pela promoção do artista nos diferentes canais, tanto online como offline

•             Distribuição - a equipa responsável pela partilha da música em plataformas digitais como canais de streaming, mas também pela elaboração de CDs físicos e discos de vinil para as lojas discográficas

 

Existem também outros departamentos essenciais, como o departamento Jurídico e Empresarial, que protegem os interesses do artista e, enquanto diretor de Comunicações e Parcerias com Marcas na Sony Music France, estou cá para encontrar novas formas de promoção e expansão da carreira de um artista através da divulgação de várias campanhas e parcerias com marcas.

 

A título de exemplo do elevado número de pessoas que podem ser envolvidas, a artista de elevado sucesso internacional Jain conta com uma equipa de 80 a 90 pessoas para a ajudar nos seus projetos musicais, fornecendo-lhe suporte nos aspetos artísticos e logísticos.

 

Com o volume de música nova disponível atualmente, de que forma se gera burburinho para chamar a atenção das pessoas?

 

Já não captamos a atenção das pessoas da mesma forma que no passado. Em termos musicais, é naturalmente importante criar e lançar sons inovadores que estabeleçam uma ligação com determinado público. No entanto, o conceito artístico e a imagem são mais importantes do que nunca para o lançamento de um artista, e as redes sociais e os telediscos desempenham um forte papel no apelo ao público e na criação de maior interesse online. Estas ferramentas podem ser utilizadas pelas grandes editoras discográficas para otimizar ao máximo o sucesso de um artista, mas não existe uma fórmula mágica e o sucesso acontece muitas vezes aleatoriamente. Trata-se de estar no local certo, no momento certo, com o conceito artístico certo.

 

Quantas contratações concretiza a Sony Music France no espaço de um ano e têm vindo a aumentar ao longo do tempo?

 

A Sony Music France conta com 120 a 130 contratações nacionais e estima chegar às 140-150 contratações de artistas até ao fim do ano, sobretudo na cena musical urbana. Temos visto o reportório musical da Sony Music Entertainment a expandir e a crescer na indústria musical, essencialmente nos EUA mas seguido logo de perto pela Europa. Desta forma, conseguimos expandir as nossas equipas e competências para lançar novos artistas.

 

Qual foi a maior proeza que já alcançaram com um dos vossos artistas?

 

A mais recente proeza de que me orgulho mais envolve a parceria entre a Jain e a FIFA. A Jain foi embaixatriz da marca para o torneio do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino da FIFA e artista oficial da cerimónia de abertura, o que veio dinamizar a sua promoção a nível internacional. Esta parceria foi um sucesso, tendo em conta que o evento veio complementar os valores feministas transmitidos na música da cantora.

 

Existe algum conselho fulcral que daria aos novos artistas para que angariem a editora discográfica ideal?

 

O conselho mais importante que lhes poderia dar seria dizer-lhes que a música é acima de tudo uma interação humana. É importante desenvolver e criar uma ligação real com as pessoas com quem pensam trabalhar antes de se precipitarem com a obtenção de uma contratação ou por quererem fazer negócio. Uma editora discográfica é um parceiro e na Sony Music promovemos confiança e transparência na colaboração com os artistas. Caso contrário, torna-se difícil desenvolver um projeto e torná-lo bem-sucedido.